Entries by Abel Matos

Fim – Tenebroso Fim

“Dependo do preso para ter o meu salário”, disse-me o guarda da prisão num momento de desafogo. Eu mesmo, bandido e professor, também estava ali por uns reais a mais no meu pagamento mensal. Nós, realidades parasitas do Bem, na figura máxima de cada diretor prisional, indo fora dos muros até as personas do cérebro […]

Encontro das Vozes

Meus primeiros contatos diretos com o grande crime foi junto com telefones. Um pouco ampla, nossa escola na prisão Bangu III tinha bons banheiros para os alunos internos. Respeitoso, eu evitava usar o único banheiro destinado ao corpo docente de professores e professoras; pois saber dos íntimos das mulheres era como uma agressão vulgar e […]

Crônica de Um Tratamento Penal

Ao me chegar visitante na prisão mais cedo, já encontrava um corpo maior de guardas no balcão da entrada; justo por causa dos incumbidos em revirar pelos avessos as visitas dos presos e tudo que elas traziam. E com isso, coisas, vidas, famílias, todas antecipadas por altamente suspeitas. Uma certa ojeriza odiosa pela falta de […]

Ideias e Palavras

Estou fora, livre na rua. Saí sem dever nada à justiça. Talvez mais periculoso ainda lá nas grades, orientava-nos, a mim e aos parceiros de prisão, para todas as fugas possíveis. Ser livre para fugir, a ideia áurea dentro da facção vermelha e fora dela. Lembro agora de Kant falando da Vontade. O universo carcerário, […]

Nossos Pai – Dentro e Fora das Prisões

Se não posso mexer o céu, comoverei o inferno. – Virgílio – Citado também por Freud. Nos entrelaces bandidos, corpos se misturando, eu ia virando pai, um outro pai; o não biológico mas pai. Alguns e depois muitos, dormiam comigo na alma e me esperavam já de manhã ao acordar, prontos e ansiosos a me […]

Do Crime no Crime e de Deus

Aos meus parceirões de cadeia. Meu pai me chamou num cantinho, pra visita ilustre não notar. Falou: “vai na casa da sua tia, e pede a ela um pouquinho de café, mesmo de de manhã, para oferecermos ao pastor que está aqui.” Voltei já com um pequeno bule frio na mão, buscando cuidado moral no […]

O Fogo do Fogo os Fogos

Na fundura atônita certas vidas rebentavam a rotina. Ouvi história de professora na Água Santa que, ao mergulhar no poço da carceragem no seu primeiro dia de trabalho e aula, escutando bater a porta de ferro atrás de si, deu um surto de pânico com gritos, pondo-se a berrar louca e a bater violento na […]

Uma Nojeira Estranha

A prisão é só e não só um muro. Contemplo vagaroso um quadro na casa da minha irmã; uma orquídea branca em fundo negro bem feita. Seu toque, o do pintor, em projeção de sobressair-se, como ao avançar sobre nossos rostos, sempre me encantou. Está lá, fora da minha casa, mas me pertenceu. Num comemorar […]