Muitos de nós não temos nem facção. Mentirosamente lá fora, na rua, circula que somos só uns amontoados de bichos. Mas não. Cada cadeia possui seus modos, preconceitos e preceitos morais, formas de vida grupal. Ainda assim, com mais ou menos nuances de diferenças por celas, alas, galerias e comarcas. Os corpos e as almas definem, no decorrer da vida e das relações. O que pode existir e realmente existe, é um pano de fundo, um alicerce, uma base, de acordo com a facção ou grupo e suas normas e estatutos. Por incrível ou impossível que possa parecer aos olhos de fora, nalguns ou muitos lances somos mais organizados que eles. Isto porque no fim, pelo menos os sensatos e nós aqui os temos, queremos e lutamos pelo nosso bem. Ainda, como em qualquer lugar, as ordens e os hábitos grupais e individuais são facilitadores das e nas rotinas. Um campo geral que nos ajuda e nos mantém. Somos vidas. O irradio desse campo nos espaços entre nós, auxilia quem chega nas grades e fica mal; funciona como um remédio pelo ar, pelas bocas e olhares. Nessa etapa de inferno que é uma e qualquer cadeia, todos nós queremos sair dela vivos. Quem pensa do povo que nunca viverá por aqui, em uma cadeia, pode estar redondamente enganado. O futuro só o Destino sabe. Ou, como no dito, a Deus pertence.

Mas como dissemos lá no início, muitos de nós não temos nem facção. E soltamos agora por quê. Cada unidade prisional possui seu seguro. Ou seja, um lugar separado em que ficam, geralmente por solicitação do necessitado, os presos rejeitados ou que correm algum perigo de vida, por quebra ou desajuste nas normas por onde estão. Não se adequaram ao meio coletivo, dito por assim dizer, normal de uma cadeia.

Conheci prisão só de seguro. Unidade com coletivo ressegurado de pessoas vindas de seguros de outras cadeias. Assim, seguro já de seguro, desajustados duas vezes. Nomeados aqui fora de “Povo de Israel” pela situação de exílio, expatriados, nunca li uma nota de jornal sobre eles, pelo menos o nome sequer. Talvez jamais descobertos, e assim nunca vistos.

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *