Professor eu bandeava meus eus pelas duas ordens rivais nas grades de Gericinó. Cadeia é lugar de limites; onde o legal e o ilegal se encontram, por vezes se encaram, se lutam. Lá então professor eu tendo que me dizer por duas porções de discurso, duas falas distintas, dois pensamentos. Ambos sempre prontos a agir nos momentos precisos. Meu corpo testava o discurso verdade. O olhar ora condicionado ora não, no ajuste da precisão. Houve e ainda há suspeição por quem afinal sou eu. No fim me arranjei por um bandido para além deles mesmos, de todos os bandidos possíveis. Referido aos cárceres que me enxergaram, me viram. Neles constatei outra ordem buscando viver. A Ética circula no crime. Mas esta Ética, pelo poder, nunca pode estar visível, tornar-se Verdade. Ela atravessa pessoas do crime como eu, e gente do povo, dos que quase passam fome e dos que passam.

Muita cadeia aqui fora abafando tudo. Quem morrer morreu. No princípio das minhas carceragens, andanças e lambanças, o medo até tomava medo de mim, ao horror de me arruinar. Para qual lado irei nem meu olho mesmo sabia. Tampouco eu pensava nisso sobre lados. O condicionamento do olhar não me deixava escolher. Mas contrariante fui me escorrendo de dentro de mim. A paisagem do mundo bem que podia ser outra. Que não a das carceragens do dia, da escola, da igreja e das ladainhas. Assim fui aprendendo a entrar e a sair das portarias do crime e do não-crime. As revistas costumeiras. Os guardas condicionados. Ao entrar nas grades diariamente dois eus me habitavam: o bandido da facção e o cidadão legal. Mas a ordem legalista desconfia dos dois. A prisão me prende porque sou bandido, como também o trabalhador a distância. Ela executa-se naquele, bandido; e realiza-se neste, o trabalhador.

Eu então não me fazia um dois, mas um três. Pois precisava de um administrador que me contivesse, ora me soltasse. Ou até me destruísse numa otarice boba, perdedora fugaz e latente. Por vezes não agir brilhava em auto bandidal. Me desfazendo de todas as matrizes condicionantes: o nosso modelo família, a educação, a lei e todo o Cristianismo de alma. Meu corpo num outro país.

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *