Sou só um bandido que pensa. E talvez por este pensar é que seja realmente bandido.

Vou agir no crime até morrer. Entenda o leitor esse meu crime como quiser; penso nele conforme uma arte. Entremos pois ao curso da letra e não do rio. Ontem com amigos conversarmos sobre prostíbulos, pernas abertas e muitas vaginas. Riscos altos assim de paixão ocorrem sem os sabermos. E no meio dessas carnes todas e gozos falamos de favelas, bandidos e muitas prisões. Foi então que aconteceu; dissemos de juízes criminais. E num saber de muito mais saber alguém nos falou: juiz no Brasil decide sobre aquilo que não sabe. Então pensemos adiante o que isto quer dizer ou é.

Nos meus tempos de condenação nas prisões fechadas, aprendi que fóruns e sentenças são coisas mais que distantes, separadas eternas de nós; de nós presos infernais e sujos. Que embora isso de fóruns seja mais que referido, existe por nós bandidos, por causa da nossa existência, ele nos pega ou toca com luvas de grande nojo e higiene. Em que magistrados e todos os seus, até o mínimo serventuário que se posa de juiz, nada sabem de favelas e periferias. E sempre será para eles ofensa mortal desejarmos que conheçam, que saibam. Talvez pra quê, pensem eles. Então juízes não sabem julgar pelo simples desconhecimento do que olham: o preso e todo o seu mundo favelar que ele traz no corpo, no olhar. Coisas estas que não cabem em nenhuma folha de processo. Assim julgam na visão só de um papel de domínio pela burocracia.

Sabemos que tudo isso acima está na conformidade do Estado; em que ser outra coisa seria mudar nosso mundo daqui; pois que um julgamento, qualquer que seja ele, é o ponto de tomada de direção de todos os caminhos. Aferida esta consciência, boca sábia do Direito na conversa, nos esclareceu que os cargos do mandarinato jurídico estão reservados só a uma classe de pessoas: os bem nascidos filhinhos de papai com boa mesada ou algo assim; que nunca escreveram o nome favela em seus cadernos e teses. Até também porque não por acaso, escrever favela em provas de acesso a cargos da magistratura, fica-se no automático eliminado por um pecado de raiz pela justiça brasileira.

Depois das xoxotas e dos juízes, ficou-nos então a pergunta: o que é o julgar e se ele realmente existe. Ou se esse não saber julgar como dito, já seja a própria condenação perpétua.

6 respostas
  1. Apprendre à son chien
    Apprendre à son chien says:

    You are so awesome! I do not suppose I’ve truly read anything like that before.
    So wonderful to discover somebody with a few original
    thoughts on this topic. Really.. many thanks for starting this up.
    This web site is one thing that is required on the internet, someone with a bit of originality!

    Responder
  2. website
    website says:

    I love your blog.. very nice colors & theme. Did you make this website yourself
    or did you hire someone to do it for you? Plz respond
    as I’m looking to construct my own blog and would like to find out where u got this from.
    appreciate it

    Responder
    • Abel Matos
      Abel Matos says:

      Procuro sempre escrever o melhor possível, e depois fui seguindo sugestões de amigos, como também as próprias de mim. Mas quem determina tudo são os leitores, como você agora, pois só eles, vocês, podem me dizer o caminho certo a seguir. Comecei numa informalidade que foi acertando. Um abraço.

      Responder

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *