A moça pergunta meu nome. Olha a tela do computador. Esmiúça coisas pastas e arquivos; me busca por ali. Dá um ar de descoberta, dizendo incompleto meu endereço a ver eu completá-lo. Olha o que está diante de si na página acesa sem que meu ver o alcance. Mas ainda a confirmar lê no silêncio e pergunta telefone e idade. Sim bateu; eu era a pessoa que dizia ser, a existência no cadastro-controle.

Vou tão nesse lugar uma clínica, que a tal moça já me conhece um pouco de lá. E se repete toda vez no igual ritual de me ler; nunca acredita em mim. Faço um brio de desencaixe no interrogatório de suspeito, e respondo um exótico de palavra em além; mas sem um abrigo mínimo de algum ouvir. Os pedaços impessoais de mim, nome, idade, endereço e etc., já estão determinados completos.

Nas prisões eu os via entrando ou saindo pelas portarias. Em distância de proteção e higiene como a moça da clínica, o guarda lia silencioso o documento da verdade em sua mão. Feito isto, o ler, e os condenados já em espera prontos cordeiros, citava um primeiro nome com a boca prisioneira do sobrenome completando ao do já lido que está no papel; nome da mãe cantava o guarda e, no automático o interno se dizia. Assim o ritual seguia até o último do grupo prisioneiro. E este duplo de guarda e preso nunca falhava, sendo mundo num dizer social único. O interno já vinha da cela com a fala treinada pela cabeça, na certeza de que um mínimo de erro ou fora o colocaria em suspeito de alguma fuga, logo em mais olhares vigiadores e possíveis castigos; por isso o desse cuidado às indagações do poder pelo guarda. Ele pessoa só sendo os dados dele no papel, e seu corpo e alma ali a confirmar. E é isto também o que a moça da clínica faz, só que fingindo nos precisos sociabilidade e talvez muito respeito.

De casa qual o preso, eu já levo à moça da clínica e tenho na fala em automático ouvir confirmar e obedecer. Como o aprendido por jogos de frases a completar em passatempos de revistas, ou por exercícios escolares infantis de pedaços de palavras e figuras geométricas nos cadernos e folhas.

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *