Mulher na foto destaque sai da prisão em tornozeleira*. Não está sozinha. Junto e grudado ao seu corpo a exalar-se, retocado glamour em roupas bem alinhadas e o colorido do tênis novo. Caminha em corpo ereto e grande definição no andar, o saber aonde ir. Num close em quase três por quatro abaixo da grande pose, a tornozeleira no centro de tudo. Ao redor ainda no três por quatro, o acabamento alinhado da calça comprida que a veste, mais a meia delicada e parte do tênis, são um mundo de quase moda. Ela mulher esperta, sabe que ali pode ser o início de um grande estrelato. O riscado vem de antes por não ser presidiária moribunda do geral. De classe média talvez em mais ascensão, luz da mídia lhe dispõe imagens e espaços de frente em jornal popular. Paisagem que vende e as pessoas comentam em afins. O holofote de página não se apagou por aí, o tudo e principal é que fez sexo no chão das grades com o seu advogado. Copular em proibido é mais gostoso. A delinquente-modelo até engravidou, recheia o tabloide barato.

Estamos por avanços dos já traçados. O abominado das grades e a treva de cubículo arrebataram-se em cultura na TV. Os atores não são os sujos de lá; a muralha brilha higiênica nas comarcas e nos corpos bonitos das luzes. Me lembra a professora primária, com forte nojo das páginas emporcalhadas sobre a minha carteira escolar de escrever; eliminando censurante com a sua borracha as dejetas garatujas; gabando a higiene pura do muito bem feito num caderninho exemplar. As prisões se mostram num caderninho exemplar. Faltam no arranjo de cena Mariana e Brumadinho*. Matar está cada vez mais cult. Desde que seja só com a mão do palhaço que nos entretém.

_____________________

Tornozeleira: aparelho que monitora um condenado em regime de prisão condicional; ou seja, já solto mas vigiado e controlado pelo citado aparelho ligado a uma rede de comunicação. Fica atado próximo ao tornozelo de quem o usa, daí seu nome.

Mariana e Brumadinho: duas represas de mineração brasileiras com dejetos altamente venenosos e poluentes. Que ao se romperem, mataram muitas centenas de vidas em povoados, destruíram natureza e mundos.

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *